7 fatos sobre Jill Valentine

Se tem uma pessoa que sabe bem lidar com o perigo, essa é Jill Valentine. A heroína dos jogos da série Resident Evil já passou por poucas e boas por conta dos experimentos da Umbrella. A mega corporação farmacêutica deixou a ética de lado na hora de desenvolver armas biológicas e espalhou criaturas horrendas em todo o mundo, além de criar um modelo de negócios mortal que persiste mesmo após sua falência.

>>O que está esperando para assinar Nerd Ao Cubo? Resident Evil e outras grandes franquias estão no maior clube de assinatura geek do Brasil. Clique aqui!

O legado da Umbrella é tão grande que achamos apenas justo incluir no Cubo do mês de outubro de 2020 um chaveiro com o logo da empresa que tanto colocou em perigo a vida de Jill Valentine, os aliados da heroína e praticamente todo o planeta Terra. Mas claro que não podíamos deixar de homenagear a mulher erradicou ao lado de Chris Redfield de vez o perigo que a Umbrella trazia. Confira alguns fatos curiosos sobre Jill Valentine!

Em desenho feito durante a produção de Resident Evil (1996), vemos que Jill junto de Chris sempre esteve nos planos da Capcom para estrelar o jogo ao contrário de Dewey e Gelzer – descartados completamente da obra

Homenagem a um ídolo do rock
O primeiro Resident Evil lançado em 1996 para PlayStation passou por diversas mudanças durante os estágios iniciais de desenvolvimento. Não apenas elementos da mecânica de jogo como até mesmo personagens foram descartados nesse período. Jill sempre esteve nos planos da Capcom, porém ela teria o nome de Jill Morrison em homenagem ao saudoso vocalista da banda The Doors, Jim Morrison.

Girl Power intencional
“Quando introduzo uma personagem feminina, não gosto de objetificá-la. […] Não gosto de personagens femininas que são submissas a homens ou às situações que se encontram. Crio mulheres que descobrem sua independência ao longo do jogo ou que já sabem que são independentes e são testadas em uma série de desafios”, disse Shinji Mikami (criador de Jill Valentine e da série Resident Evil) em entrevista ao jornal inglês The Guardian em 2014.

Muito mistério ronda as origens da personagem e o que ela fazia antes dos eventos mostrados em Resident Evil (1996)

França + Japão = Jill
Seu pai era francês e a mãe de origem japonesa. Ambos nunca tiveram suas identidades reveladas. Quase passa despercebida essa informação pois ela foi passada apenas em um press release de 1995, antes mesmo do lançamento do primeiro jogo.

>>Confira uma seleção de produtos exclusiva de Resident Evil na Gamer Gear!

Filha de um gatuno?
Uma das habilidades mais icônicas de Jill é a de destravar portas com a ajuda de uma gazua (conhecida em inglês como lockpick). Em uma das adaptações literárias da série, a autora S.D. Perry criou uma origem para o talento da heroína onde o pai de Jill é um gatuno lendário conhecido chamado Dick Valentine. Para invadir casas, ele era um ás na hora de destrancar cadeados e chegou até mesmo a contar com a ajuda da jovem filha, que decidiu utilizar os talentos para um bem maior. Vale ressaltar que os livros de Resident Evil não são canônicos.

Heroísmo no sangue
No Japão, há uma crença popular de que o tipo sanguíneo determina a personalidade da pessoa – algo parecido com o horóscopo no Ocidente. Jill possui sangue do tipo B e isso significa uma personalidade cheia de caprichos e muito disposta para defender suas virtudes. Não há dúvidas no caminho que ela quer seguir e sua personalidade costuma ser impulsiva. Quem acompanha Jill na série com certeza consegue identificar essas características no jeito da heroína.

Parceria com Chris
Jill e Chris Redfield sempre são mostrados como parceiros bem próximos e geram especulações entre fãs de um possível casal “Valenfield”. Porém, são breves os momentos de parceria entre os dois. No primeiro jogo, os dois se reencontram apenas no desfecho da aventura. Em Resident Evil 3, Chris foi para a Europa investigar a Umbrella e nem dá as caras no jogo. Já no quinto jogo da série, Jill é dada como morta após uma missão da dupla terminar em um confronto com o vilão Albert Wesker. A única vez que ambos terminaram uma missão juntos do início ao fim dentro de um jogo é em Resident Evil: The Umbrella Chronicles, onde eles desativam o último laboratório em atividade da Umbrella.

Participação especial
Além de suas famosas aparições em dois jogos da série Marvel vs. Capcom, Jill Valentine dá as caras em pelo menos outros oito jogos da Capcom! Algumas dessas participações são diretas, como em Under the Skin sendo acompanhada do vilão Nemesis em um cenário cartunesco baseado em Raccoon City. Mas há também mera homenagens, como seu clássico top azul e minissaia sendo um dos trajes disponíveis ao escrachado Frank West em Dead Rising 4.